A sala de aula aproxima sujeitos, cria possibilidades de troca, ajuda a estabelecer analogias, semelhanças ou diferenças entre a cultura “espontânea” e informal do aluno, de um lado, e as teorias e as linguagens formalizadas da cultura elaborada, de outro, favorecendo o processo interior de ressignificação e de cognição. Ao fazer os alunos pensarem, ao invés de pensar por eles, o professor está favorecendo a autonomia intelectual do aluno e preparando-o para atuar de forma competente, criativa e crítica como cidadão profissional.

 
 
Trabalhando a partir das concepções dos alunos, dos seus conhecimentos prévios, das suas experiências, é que o professor pode aproximá-los dos conhecimentos científicos a serem aprendidos e dos fundamentos conceituais que perpassam o conhecimento específico. Há que se ressaltar que trabalhar a partir do que o aluno sabe, de suas representações, não significa deixá-lo onde está – isto seria descompromisso. É algo mais; é procurar fazer as pontes, é permitir comparações, é sair do conforto do que já está incorporado, é desinstalar para provocar novas elaborações.

Muda, assim, o papel do professor. Este deve ser um mediador do saber e um educador que respeita seus alunos, reconhecendo que, todos sabem alguma coisa e que têm saberes distintos uns dos outros. Alguém que sabe que os alunos poderão transformar suas experiências e conhecimentos em NOVOS SABERES. Mas sabe, também, que isto não é suficiente. É preciso alterar o modo de ensinar, isto é, despertar nos alunos atitudes de busca, de investigação e de pergunta, indicar a necessidade de aprofundar questões, de ir além e de melhor compreender o que desejam. Cabe ao professor, não a condição daquele que dá a resposta, mas a de favorecer a pergunta. Assim é que os alunos poderão vivenciar novas experiências e novas descobertas no espaço de sala de aula.

Do ponto de vista metodológico, o ideal seria encontrar estratégias que conduzissem os alunos a um processo permanente de perguntas, de modo que eles encontrassem na biblioteca (e demais instâncias culturais) o lugar onde encontrar respostas. COLL( 1987 ), retomando Brunner, afirma que esse é o papel da escola: ensinar de modo que os alunos possam continuar aprendendo sozinhos. Esse é o direito de pensar: perguntar, indagar, questionar e mobilizar-se em busca das respostas; é o espaço da autonomia, da subjetividade e da possibilidade de experiências exitosas, uma vez que, pelas interações pedagógicas, o aluno se constitui sujeito da própria aprendizagem. Compreende- se que, desse modo, o aluno aprende, não só a pensar, mas a entender como se dá o próprio conhecimento.
 
 


É nesse sentido que o professor, após verificar os interesses dos alunos, colabora na seleção de um determinado tema para pesquisa. No entanto, para haver pesquisa, é preciso que haja uma indagação, uma pergunta ou várias perguntas. Desenvolver a capacidade de elaborar perguntas é um dos desafios do professor que ensina para a modernidade. Em geral, a sala de aula tem-se constituído em espaço para dar respostas. Pode ser, mas não exclusivamente: se há um respondedor, deve haver um perguntador. Ajudar o aluno na elaboração de indagações é instituir o dinamismo, a provocação produtiva, a participação efetiva. Não é, no entanto, algo simples, pois requer investimentos e disposições. A sala de aula é o lugar de perguntar e não apenas de ouvir e/ou responder o que “o outro”, de seu lugar legitimado, perguntou.
   
 


 
 
Na sala de aula, o organizador de aprendizagem estimula e indica fontes onde o aluno poderá encontrar respostas para as perguntas feitas, bem como indica ou sugere as diferentes possibilidades de sistematização que os resultados podem ganhar. Esses resultados são, necessariamente, registrados com base na produção de gêneros textuais relacionados ao modo como o conhecimento circula em nossa sociedade: resenha, comentário, artigo, resumo, sinopse, verbete, ensaio, dentre outros que poderão ser lidos, apresentados e melhor sistematizados no encontro de sala de aula.
 
 

* Para refletir
 
Página anterior Produção de Conhecimento - Refletir