O professor reflexivo é aquele que, de algum modo, sente a necessidade de aprender e de reavaliar o seu trabalho e de repensar os fundamentos e os procedimentos de sua prática. Nesse sentido, a sala de aula é espaço permanente para a formação do professor, na medida em que este for capaz de transformar as experiências vivenciadas em aprendizagens, isto é, saber aproveitar as experiências positivas e saber transformar as negativas em lições para a vida.

Assim é que pode, para além da formação, construir uma identidade pessoal, não só em termos de comportamento, de subjetividade, mas uma identidade do seu fazer pedagógico, uma marca própria, resultado da interação com as práticas desenvolvidas em sala de aula. Por outro lado, o professor pode assumir um distanciamento e, assim, analisar e investigar os acontecimentos de sala de aula de maneira crítica e reflexiva.
 
 

O professor reflexivo repensa o dia- a- dia de sua sala de aula, analisa as próprias intervenções pedagógicas e observa os seus alunos, procurando entender melhor como reagem, o que manifestam essas reações e como aprendem o que está sendo ensinado.

Poderá indagar-se: Como ensino? Como o aluno aprende? Que experiências estão favorecendo o aproveitamento do aluno? Que conhecimentos acrescentar? Que atividades têm contribuído para o meu melhor desempenho e o do meu aluno? Que relações estão sendo estabelecidas? Que crenças e valores perpassam as vozes na sala de aula? Quais as maiores dificuldades do meu aluno? Que assuntos despertam os interesses dos alunos? Que experiências produzem maior mobilização e participação? Como tenho aproveitado o conhecimento que o aluno traz para as interlocuções de sala de aula?

O professor pode transformar a sua prática em oportunidade de reflexão teórica, como agente crítico do próprio desenvolvimento, o que permite quebrar as cristalizações provocadas pelo cotidiano escolar e, conseqüentemente, transformar essa mesma prática. Não é sem razão que muitos pesquisadores têm investido, consideravelmente, nos últimos anos, em estudos que buscam construir uma “epistemologia do pensamento prático”, ou seja, considerar a necessidade de que o professor, a partir da própria ação, tenha condições de refletir e de produzir uma reflexão da prática.
 
 


Para que essa reflexão produza conhecimento, é necessário que os professores encontrem estratégias para discussão, reelaboração e sistematização dessas experiências. Para isto, é preciso que, no interior da escola, sejam elaborados projetos que tomem como objeto de investigação a reflexão sobre a prática; e onde podem ser oportunizados momentos de debates e de estudos para a troca dessas experiências, na busca de construção coletiva de novos saberes para o desenvolvimento profissional do professor.

Ademais, analisar experiências próprias e confrontá- las com outras é poder reconhecer o valor dos erros e dos acertos e, dessa forma, ser um melhor profissional, porque pensa e se desenvolve a partir do que realiza.

   
 

A competência do profissional reflexivo se concretiza quando, analisando o seu fazer pedagógico, é capaz de avaliar a si mesmo e de buscar, a partir dessa avaliação, outras formas de atuar, em uma busca permanente e necessária a quem não quer assinar a mediocridade do lugar comum, a quem deseja imprimir a sua marca, construída e produzida nas interações coletivas e humanas.

* Depoimento
 
Página anterior O Desenvolvimento profissional e a sala de aula