BIBLIOGRAFIA

A REVISTA NO BRASIL. São Paulo: Abril, 2000.

ABAURRE, Maria Bernadete Marques et al. Cenas de aquisição da escrita: o sujeito e o trabalho com o texto. Campinas: ALB/Mercado de Letras, 1997.

AGUIAR, Vera Teixeira (Coord.). Era uma vez...na escola: formando educadores para formar leitores. Belo Horizonte: Formato, 2001.

ALENCAR, Eunice S. de. Novas contribuições da psicologia aos processos de ensino e aprendizagem. São Paulo: Cortez, 1992.

ALVARENGA, Daniel. Análise de variações ortográficas. Presença Pedagógica, Belo Horizonte, ano 1, n.2, p.24-35, mar./abr. 1995.

ALVES, Ieda Maria. Neologismo: criação lexical. São Paulo: Ática, 1990. (Princípios; 191).

ANTUNES, Irandé. Aula de português: encontro e interação. São Paulo: Parábola Editorial, 2003.

ARMSTRONG, Thomas. Inteligências múltiplas na sala de aula. 2.ed. Porto Alegre: Artmed, 2001.

BAGNO, Marcos. A língua de Eulália: novela sociolingüística. São Paulo: Contexto, 1997.

BAGNO, Marcos. Dramática da língua portuguesa: tradição gramatical, mídia e exclusão social. São Paulo: Loyola, 2000.

BAGNO, Marcos. Pesquisa na escola: o que é, como se faz. 5.ed. São Paulo: Loyola, 2000.

BAGNO, Marcos. Preconceito lingüístico: o que é, como se faz. 2.ed. rev. e aum. São Paulo: Loyola, 1999.

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

BAKHTIN, Mikhail. Marxismo e filosofia da linguagem. 3.ed. São Paulo: Hucitec, 1986.

BARBOSA, Jaqueline Peixoto. Do professor suposto pelos PCNs ao professor real de Língua Portuguesa: são os PCNs praticáveis? In: ROJO, Roxane (Org.) A prática de linguagem em sala de aula: praticando os PCNs. São Paulo: EDUC; Campinas: Mercado de Letras, 2000.

BARBOSA, José. Alfabetização e leitura. 2.ed. São Paulo: Cortez, 1992.

BARRETO, Roberto Menna. Criatividade em propaganda. Rio de Janeiro: Summus, 1982.

BARROS, Diana Luz P. Entre a fala e a escrita:algumas reflexões sobre posições intermediárias. In: PRETI, Dino (Org.). Fala e escrita em questão. 2.ed. São Paulo: Humanitas, 2001. p.57-77.

BASTOS, Lúcia Kopschitz. Coesão e coerência em narrativas escolares. São Paulo: Martins Fontes, 1994. (Texto e linguagem).

BATISTA, Antônio Augusto Gomes. A leitura incerta: a relação de professores(as) de Português com a leitura. Educação em Revista, Belo Horizonte, n.27, p.85-103, jul. 1998.

BATISTA, Antônio Augusto Gomes. Aula de português: discurso e saberes escolares. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

BATISTA, Antônio Augusto Gomes. Sobre a leitura: notas para a construção de uma concepção de leitura de interesse pedagógico. Em Aberto, Brasília, Instituto Nacional de Pesquisas Pedagógicas, ano 10, n.52, p.63-68, out./dez. 1991.

BATISTA, Antônio Augusto Gomes. Um objeto variável e instável: textos, impressos e livros didáticos. In: ABREU, Márcia (Org.). Leituras e histórias da leitura. Campinas: Mercado de Letras, 1999. p.529-575.

BELMIRO, Célia Abicalil. A formação de educadores de jovens e adultos: uma experiência em Língua Portuguesa. Presença Pedagógica, Belo Horizonte, Dimensão, v.3, n.17, p.43-51, set./out. 1997.

BELMIRO, Célia Abicalil, AFONSO JÚNIOR, Delfim. A imagem e a sua dimensão cultural na formação docente. Presença Pedagógica, Belo Horizonte, Dimensão, n.40, p.46-55, jul./ago. 2001.

BENVENISTE, Émile. Problemas de lingüística geral. v. I e II. Campinas: Pontes/eDUNICAMP, 1988.

BORTONI-RICARDO, Stella Maris. Educação em língua materna: a sociolingüística na sala de aula. São Paulo: Parábola Editorial, 2004. (Linguagem; 4).

BOSI, Alfredo (Org.) Leitura de poesia. São Paulo: Ática, 1996.

BOURDIEU, Pierre. As contradições da herança. In: LINS, Daniel (Org.). Cultura e subjetividade: saberes nômades. Campinas: Papirus, 1997. p.7-17.

BRAIT, Beth. A personagem. 4.ed. São Paulo: Ática, 1990. (Princípios; 3).

BRANDÃO, Helena Nagamine. (Coord.). Gêneros do discurso na escola: mito, conto, cordel, discurso político, divulgação científica. 3.ed. São Paulo, Cortez, 2002. (Aprender e ensinar com textos; 5).

BRANDÃO, Helena H. Nagamine. Introdução à análise do discurso. Campinas: EDUNICAMP, 1991. (Pesquisas).

BRANDÃO, Helena Nagamine, MICHELETTI, Guaraciaba (Coords.). Aprender e ensinar com textos didáticos e paradidáticos. 2.ed. São Paulo: Cortez, 1998. (Aprender e ensinar com textos; 2).

BRASIL. Lei nº 9 394, de 20 de dezembro de 1996: Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União, Brasília, nº 248, de 23 de dezembro de 1996.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Guia de livros didáticos. 5a. a 8a. séries (PNLD 2002). Secretaria de Educação Fundamental. — Brasília, MEC/SEF, 2001.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental. Secretaria de Educação Fundamental. — Brasília: MEC/SEF, 1998.

BRASIL. Secretaria de Educação Média. Parâmetros curriculares nacionais (ensino médio). Secretaria de Educação Média. — Brasília: MEC/SEM, 2000.

BRITTO, João Batista de. Imagens amadas. São Paulo: Ateliê Editorial, 1995.

BRITTO, Luiz Percival Leme. A sombra do caos: ensino de língua x tradição gramatical. Campinas: ALB/Mercado de Letras, 1997.

BRITTO, Luiz Percival Leme. Em terra de surdos-mudos. In: GERALDI, João Wanderley. O texto na sala de aula: leitura e produção. Cascavel: Assoeste, 1984.

BRITTO, Luiz Percival Leme. Fugindo da norma. Campinas: Átomo, 1991.

BRONCKART, Jean-Paul. Atividade de linguagem, textos e discursos: por um interacionismo sócio-discursivo. São Paulo: EDUC, 1999.

CADERNOS CEALE—Intermédio. Literatura infantil na escola: leitores e textos em construção. Belo Horizonte: Formato, vol II, maio 1996.

CAFIERO, Delaine. Self-service com volta e cerveja com fusão: onde está o significado? Presença Pedagógica, Belo Horizonte, Dimensão, v.7, n.41, p.50-57, set./out. 2001.

CAGLIARI L. Carlos. Alfabetização e lingüística. São Paulo: Scipione, 1989.

CALDAS, Suely. Jornalismo econômico. São Paulo: Contexto, 2003. (Comunicação).

CAMPBELL, Linda, CAMPBELL, Bruce, DICKINSON, Dee. Ensino e aprendizagem por meio das inteligências múltiplas. 2.ed. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000.

CAMPOS, Maria Helena Rabelo. O canto da sereia: uma análise do discurso publicitário. Belo Horizonte: UFMG, 1987.

CANDIDO, Antonio et al. A personagem de ficção. 10.ed. São Paulo: Perspectiva, 2002.

CANDIDO, Antonio. Na sala de aula. Caderno de análise literária. São Paulo: Ática, 1985.

CARDOSO, Sílvia Helena Barbi. Discurso e ensino. Belo Horizonte: Autêntica, 1999.

CARRASCOZZA, João Anzanello. A evolução do texto publicitário: a associação de palavras como elemento de sedução na publicidade. São Paulo: Futura, 1999.

CARRIÈRE, Jean-Claude. A linguagem (secreta) do cinema. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1995.

CARVALHO, Nelly de. Empréstimos lingüísticos. São Paulo: Ática, 1990. (Princípios; 170).

CARVALHO, Nelly de. Publicidade: a linguagem da sedução. São Paulo: Ática, 1996. (Fundamentos; 114).

CASTILHO, Ataliba T. de. A língua falada no ensino de português. São Paulo: Contexto, 1998.

CASTILHO, Ataliba T. de (Org.). Português culto falado no Brasil. Campinas: EDUNICAMP, 1989.

CASTILHO, Ataliba T. de. Português falado e ensino de gramática. Letras de Hoje, Porto Alegre, PUCRSG, v. 25, n. 1, p.103-136, mar.1990.

CHARTIER, Anne-Marie, HEBRARD, Jean. Discursos sobre a leitura (1880-1980). São Paulo: Ática, 1995.

CITELLI, Adilson (Coord.). Aprender e ensinar com textos não escolares. 2.ed. São Paulo: Cortez, 1998. (Aprender e ensinar com textos; 3).

CITELLI, Adilson (Coord.) Outras linguagens na escola: publicidade, cinema e TV. Rádio, jogos, informática. São Paulo: Cortez, 2000.

CITELLI, Adilson. Linguagem e persuasão. 6.ed. São Paulo: Ática, 1991(Princípios, 17).

COELHO, Paulo Vinícius. Jornalismo esportivo. São Paulo: Contexto, 2003. (Comunicação).

COLLARO, Antônio Celso. Projeto gráfico: teoria e prática em diagramação. Campinas: Summus, 1996.

CORREA, Hércules Tolêdo. Compreender a leitura. Presença Pedagógica, Belo Horizonte, Dimensão, n.16, jul./ago. 1997.

COSCARELLI, Carla Viana. A nova aula de português: o computador na sala de aula. Presença Pedagógica, Belo Horizonte, Dimensão, v.5, n.26, p.29-36, mar./abr. 1999.

COSCARELLI, Carla Viana. Entendendo a leitura. Revista de Estudos da Linguagem, Belo Horizonte, UFMG, v.10, n.1, p.7-27, jan./jun. 2002.

COSCARELLI, Carla Viana. O uso da informática como instrumento de ensino- aprendizagem. Presença Pedagógica, Belo Horizonte, Dimensão, v.4, n.20, p. 36-45, mar./abr. 1998.

COSCARELLI, Carla Viana (Org.). Novas tecnologias, novos textos, novas formas de pensar. Belo Horizonte: Autêntica, 2002.

COSTA VAL, Maria da Graça. A gramática do texto, no texto. Revista de Estudos da Linguagem, Belo Horizonte, FALE- UFMG, v.10, n.2, p.107-133, jul./dez. 2002.

COSTA VAL, Maria da Graça. A interação lingüística como objeto de ensino aprendizagem da língua portuguesa. Educação em Revista, Belo Horizonte, FaE/ UFMG, ano VII, n.16, p.23-30, dez. 1992.

COSTA VAL, Maria da Graça. A inter-relação oralidade-escrita no aprendizado de redação. Trabalhos em lingüística aplicada, Campinas, Departamento de Lingüística Aplicada – IEL/UNICAMP, n.29, p.69-84, 1º semestre 1997.

COSTA VAL, Maria da Graça. Avaliar redações: uma questão mais ampla do que parece. Dois Pontos, Belo Horizonte, Sistema Pitágoras de Ensino, v.II, n.13, p. 59-61, ago.1992.

COSTA VAL, Maria da Graça. Da fala à escrita: uma criança e suas histórias. In: GONÇALVES, G. R., RAVETTI, G. (Org.). Lugares críticos: línguas, culturas, literaturas. Belo Horizonte: Orobó/FALE-UFMG, 1998. p.53-62.

COSTA VAL, Maria da Graça. O desenvolvimento do conhecimento lingüístico- discursivo: o que se aprende quando se aprende a escrever? Veredas – Revista de Estudos Lingüísticos, Juiz de Fora, Programa de Pós-Graduação em Letras/Lingüística, ICHL/UFJF, v.5, n.1,p.83-104, jan./jun. 2001.

COSTA VAL, Maria da Graça. O professor de Português: perfil e perspectivas. Viva Voz (Cadernos do Departamento de Letras Vernáculas), Belo Horizonte, NAPq-FALE/UFMG. I Semana de Estudos de Língua Portuguesa (8-12 nov. 1993). Anais... v.I, 1995.

COSTA VAL, Maria da Graça. O que é produção de texto na escola? Presença Pedagógica, Belo Horizonte, Dimensão, v.4, n.20, p. 83-87, mar./abr. 1998.

COSTA VAL, Maria da Graça. Produção de textos com função de registro de leitura e compreensão de texto oral: esquema, resumo e resenha crítica. Belo Horizonte, Programa-Piloto de Inovação Curricular e Capacitação de Professores do Ensino Médio. Cordenação da Revisão do Ensino Médio da Secretaria de Estado da Educação do Estado de Minas Gerais,1988.

COSTA VAL, Maria da Graça. Redação e textualidade. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

COSTA VAL, Maria da Graça. Repensando a textualidade. In: AZEREDO, José Carlos (Org.). Língua portuguesa em debate: conhecimento e ensino. Petrópolis: Vozes, 2000. p.34-51.

COSTA VAL, Maria da Graça. Texto, textualidade e textualização. In: CECCANTINI, J.L. Tápias; PEREIRA, Rony F.; ZANCHETTA JÚNIOR., Juvenal. Pedagogia cidadã: cadernos de formação: Língua Portuguesa. v.1. São Paulo: UNESP Prograd, 2004.

COSTA VAL, Maria da Graça, GUIMARÃES, Vanessa Cardoso. Construindo o discurso escrito: histórias e cartas “entre a oralidade e a escrita”. Revista de Estudos da Linguagem, Belo Horizonte, FALE-UFMG, v.9, n.1, p.31-70, jan./jun. 2000.

COSTA VAL, Maria da Graça, ROCHA, Gladys. Reflexões sobre práticas escolares de produção de texto: o sujeito autor. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

CULLER, Jonathan. Teoria literária: uma introdução. São Paulo: Beca, 1999.

CUNHA, Maria Antonieta Antunes. Literatura infantil: teoria e prática. São Paulo: Ática, 1989.

DAGHLIAN, Carlos (Org.). Poesia e música. São Paulo: Perspectiva, 1985.

DELL’ISOLA, Regina, MENDES, Eliana Amarante M. (Orgs.). Reflexões sobre a língua portuguesa: ensino e pesquisa. Campinas: Pontes, 1997.

DELL’ISOLA, Regina L. Péret. Leitura: inferências e contexto sociocultural. Belo Horizonte: Formato, 2000.

DIAS, Ana Rosa Ferreira. O discurso da violência: as marcas da oralidade no jornalismo popular. São Paulo: EDUC/Cortez, 1996.

DIJK, Teun Adrianus van. Cognição, discurso e interação. São Paulo: Contexto, 1992.

DIONISIO, Ângela Paiva, BEZERRA, Maria Auxiliadora, MACHADO, Anna Rachel (Orgs). Gêneros textuais e ensino. Rio de Janeiro: Lucerna, 2002.

DIONISIO, Ângela Paiva, BEZERRA, Maria Auxiliadora (Orgs). O livro didático de português: múltiplos olhares. Rio de Janeiro: Lucerna, 2001.

DONDIS, Donis A. Sintaxe da linguagem visual. 2.ed. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

DUCROT, Oswald. Princípios de semântica lingüística (dizer e não dizer). São Paulo: Cultrix, 1977.ECO, Umberto. Lector in fabula. São Paulo: Perspectiva, 1986.

ECO, Umberto. Seis passeios pelos bosques da ficção. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

ESTEBAN, M. T. Por uma avaliação de outra qualidade. Presença Pedagógica, Belo Horizonte, Dimensão, v.2 n.8, p.45-53, mar./abr. 1996.

EVANGELISTA, Aracy Alves Martins, BRANDÃO, Heliana Maria Brina, MACHADO, Maria Zélia Versiani (Orgs.). A escolarização da leitura literária. O jogo do livro infantil e juvenil. Belo Horizonte: Autêntica, 1999. (Linguagem e educação).

EVANGELISTA, Aracy A. M. et al. Professor- leitor, aluno-autor: reflexões sobre a avaliação do texto escolar. Belo Horizonte: Formato/CEALE, 1998.

FARACO, Carlos Alberto, TEZZA, Cristóvão. Prática de texto: língua portuguesa para nossos estudantes. Petrópolis: Vozes, 1992.

FARIA, Maria Alice. Como usar o jornal na sala de aula. São Paulo: Contexto, 1996.

FARIA, Maria Alice. O jornal na sala de aula. São Paulo: Contexto,1989.

FARIA, Maria Alice. Parâmetros curriculares e literatura: as personagens de que os alunos realmente gostam. São Paulo: Contexto, 1999.

FARIA, Maria Alice, ZANCHETA JÚNIOR, Juvenal. Para ler e fazer o jornal na sala de aula. São Paulo: Contexto, 2002.

FÁVERO, Leonor. Coesão e coerência textuais. São Paulo: Ática, 1991 (Princípios).

FÁVERO, Leonor L. A informatividade como elemento de textualidade. Letras de Hoje, Porto Alegre, PUCRGS, v.18, n.2, p.13-20, jun.1985.

FÁVERO, Leonor Lopes, ANDRADE, Maria Lúcia C. V. O., AQUINO, Zilda G.O. Oralidade e escrita: perspectivas para o ensino de língua materna. 3.ed. São Paulo: Cortez, 2002.

FÁVERO, Leonor L., KOCH, Ingedore. Lingüística textual: introdução. São Paulo: Cortez, 1983.

FÁVERO, Leonor L., PASCHOAL, Mara, SOFIA, Z. (Org.). Lingüística textual: texto e leitura. São Paulo: EDUC/PUCSP, 1985. (Cadernos PUC; 22).

FERRARI, Pollyana. Jornalismo digital. São Paulo: Contexto, 2003. (Comunicação).

FIORIN, José Luiz. Elementos de análise do discurso. São Paulo: Contexto/ EDUSP, 1991.

FONSECA, Lúcia de Carvalho. A linguagem da Internet: entre o dito e o escrito. Belo Horizonte: CEFET-MG, 2001. (Dissertação, Mestrado em Educação Tecnológica).

FRANÇA, Júnia Lessa. Manual para normalização de publicações técnico-científicas. Colaboração de Ana Cristina Vasconcellos, Stella Maris Borges, Maria Helena de Andrade Magalhães. 6.ed. Belo Horizonte: UFMG, 2003.

FRANCHI, Carlos. Criatividade e gramática. São Paulo: CENP/ Secretaria da Educação do Estado de São Paulo, 1988.

FRANCHI, Eglê. E as crianças eram difíceis... A redação na escola. São Paulo: Martins Fontes, 1984.

FRANCHI, Eglê Pontes. Pedagogia da alfabetização: da oralidade à escrita. São Paulo: Cortez, 1995.

FREITAS, Maria Teresa. Descobrindo novas formas de leitura e escrita. In: ROJO, Roxane (Org.). A prática de linguagem em sala de aula: praticando os PCNs. São Paulo: EDUC; Campinas: Mercado de Letras, 2000.

FULGÊNCIO, Lúcia, LIBERATO, Yara. Como facilitar a leitura: como se processa a leitura; orientação para textos didáticos; aspectos discursivos. São Paulo: Contexto, 1992. (Repensando a língua portuguesa).

GALVÃO, Ana Maria de Oliveira. Cordel: leitores e ouvintes. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.

GALVES, Charlotte et al. (Org.). O texto: escrita e leitura. Campinas: Pontes, 1988.

GANCHO, Cândida Vilares. Como analisar narrativas. São Paulo: Ática, 1991.

GARDNER, Howard. Estruturas da mente: a teoria das inteligências múltiplas. Porto Alegre: Artmed, 1994.

Garrett, A. A entrevista, seus princípios e métodos. Rio de Janeiro: Agir, 1981.

GERALDI, João Wanderley, CITELLI, Beatriz (Coords.). Aprender e ensinar com textos de alunos. 2.ed. São Paulo: Cortez, 1998. (Aprender e ensinar com textos; 1).

GERALDI, João Wanderley. Linguagem e ensino: exercícios de militância e divulgação. Campinas: ALB/Mercado de Letras, 1996.

GERALDI, João Wanderley. O texto na sala de aula: leitura e produção. Cascavel: Assoeste, 1984.

GERALDI, João Wanderley. Portos de passagem. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

GNERRE, Maurizzio. Linguagem, escrita e poder. São Paulo: Martins Fontes, 1985.

GOLDSTEIN, Norma. Versos, sons e ritmos. 3a ed. São Paulo: Ática, 1986. (Princípios; 6).

GOMES, Mayra Rodrigues. Jornalismo e ciências da linguagem. São Paulo: Hacker/EDUSP, 2000.

GONÇALVES, G. R., RAVETTI, G. (Org.). Lugares críticos: línguas, culturas, literaturas. Belo Horizonte: Orobó/FALE-UFMG, 1998.

GONÇALVES, Zanilda. Nos bastidores do teatro infantil. Belo Horizonte: Armazém de Idéias, 2002.

GOTLIB, Nádia. Teoria do conto. São Paulo: Ática, 1985. (Princípios; 2).

GROMBRICH, E. H. A história da arte. Rio de Janeiro: Guanabara-Koogan, 1988.

GUIMARÃES, Eduardo. Os limites do sentido: um estudo histórico e enunciativo da linguagem. Campinas: Pontes, 1995. (Linguagem/crítica).

GUIMARÃES, Eduardo. Texto e argumentação: um estudo de conjunções do português. Campinas: Pontes, 1987. (Linguagem/crítica).

HERSCHMANN, Micael. O funk e o hip hop invadem a cena. Rio de Janeiro: UFRJ, 2000.

HILGERT, G. A construção do texto “falado” por escrito: a conversação na Internet. In: PRETI, Dino (Org.). Fala e escrita em questão. São Paulo: Humanitas, 2000. p.17-55.

ILARI, Rodolfo. A lingüística e o ensino da língua portuguesa. 4.ed. São Paulo: Martins Fontes, 1992. (Texto e linguagem).

ILARI, Rodolfo. Perspectiva funcional da frase portuguesa. Campinas: EDUNICAMP, 1992.

JOLIBERT, Josette. Formando crianças leitoras. Porto Alegre: Artes Médicas, 1994.

JOLIBERT, Josette. Formando crianças produtoras de textos. Porto Alegre: Artes Médicas, 1994.

KATO, Mary A. No mundo da escrita: uma perspectiva psicolingüística. São Paulo: Ática, 1987.

KATO, Mary A. O aprendizado da leitura. São Paulo: Martins Fontes, 1985.

KATO, Mary A. Processos de decodificação: a integração do novo com o velho em leitura. In: ROSING, Tânia, BECKER, Paulo (Orgs.). Leitura e animação cultural: repensando a escola e a biblioteca. Passo Fundo: UFP, 2002.

KHÉDE, Sônia Salomão. Literatura infantil: um gênero polêmico. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1986.

KLEIMAN, Â., MORAES, S.E. Leitura e interdisciplinaridade: tecendo redes nos projetos da escola. Campinas: Mercado de Letras, 1999.

KLEIMAN, Ângela. Leitura: ensino e pesquisa. Campinas: Pontes, 1989.

KLEIMAN, Ângela. Oficina de leitura: teoria e prática. 3.ed. Campinas: Pontes, 1995.

KLEIMAN, Ângela. Texto e leitor: aspectos cognitivos da leitura. Campinas: Pontes, 1989. (Linguagem-ensino).

KOCH, Ingedore G. Villaça. A coesão textual. 7. ed. São Paulo: Contexto, 1994. (Repensando a língua portuguesa).

KOCH, Ingedore Villaça. A inter-ação pela linguagem: linguagem e sociedade; a construção interativa dos sentidos no texto; estratégias dos “jogos de linguagem”. 3. ed. São Paulo: Contexto, 1997. (Repensando a língua portuguesa).

KOCH, Ingedore G. Villaça. Argumentação e linguagem. 3.ed. São Paulo: Cortez, 1993.

KOCH, Ingedore G. Villaça. Desvendando os segredos do texto. São Paulo: Cortez, 2002.

KOCH, Ingedore G. Villaça. O texto e a construção dos sentidos. São Paulo: Contexto, 1997. (Caminhos da lingüística).

KOCH, Ingedore G. Villaça, TRAVAGLIA, Luiz Carlos. A coerência textual. 6.ed. São Paulo: Contexto, 1995. (Repensando a língua portuguesa).

KOCH, Ingedore G. Villaça, TRAVAGLIA, Luiz Carlos. Texto e coerência. São Paulo: Cortez, 1989.

LAGE, Nilson. Linguagem jornalística. São Paulo, Ática, 1992. (Princípios; 37).

LAJOLO, Marisa. A formação da leitura no Brasil. São Paulo: Ática,1996.

LAJOLO, Marisa. Como e por que ler o romance brasileiro. Rio de Janeiro: Objetiva, 2004.

LAJOLO, Marisa. Do mundo da leitura para a leitura do mundo. São Paulo: Ática, 1993.

LAJOLO, Marisa, ZILBERMAN, Regina. Literatura infantil brasileira: história e histórias. São Paulo: Ática, 1985.

LEAL, Leiva de Figueiredo Viana. A escrita aprisionada: uma análise da produção de textos na escola. Belo Horizonte: FaE/UFMG, 1991. (Dissertação, Mestrado em Educação).

LEAL, Leiva de Figueiredo Viana. Biblioteca escolar como eixo estruturador do currículo. In: ROSING, Tânia, BECKER, Paulo (Orgs.). Leitura e animação cultural: repensando a escola e a biblioteca. Passo Fundo: UFP, 2002.

LEITE, Lígia Chiappini Moraes. Invasão da catedral: literatura e ensino em debate. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1983.

LEITE, Ligia Chiappini Moraes. O foco narrativo. 6. ed. São Paulo: Ática, 1993. (Princípios; 4).

LEITE, Lúcia Helena Alvarez. Pedagogia de projetos: intervenção no presente. Presença Pedagógica, Belo Horizonte, Dimensão, v.2, n.8, p.24-36, mar./abr. 1996.

LEITE, Marli Quadros. A influência da língua falada na gramática tradicional. In: PRETI, Dino (Org.). Estudos de língua falada. São Paulo: Humanitas, 2001. p.129-155.

LÉVY, Pierre. As tecnologias da inteligência. São Paulo: Editora 34, 1990.

LÉVY, Pierre. O que é o virtual?. São Paulo: Editora 34, 1996.

LÜDKE, Menga, MEDIANO, Zélia (Coords.). Avaliação na escola de 1º grau: uma análise sociológica. Campinas: Papirus, 1992.

MAINGUENEAU, Dominique. Análise de textos de comunicação. 2.ed. São Paulo: Cortez, 2002.

MAINGUENEAU, Dominique. Elementos de lingüística para o texto literário. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

MAINGUENEAU, Dominique. Novas tendências em análise do discurso. São Paulo: Pontes, 1994.

MAINGUENEAU, Dominique. Pragmática para o discurso literário. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

MAINGUENEAU, Dominique. Termos-chave da análise do discurso. Belo Horizonte: UFMG, 1998.

MARCONDES, Beatriz, MENEZES, Gilda, THOSHIMITSU, Thais. Como usar outras linguagens na sala de aula. 4.ed. São Paulo: Contexto, 2003. (Como usar na sala de aula).

MARCUSCHI, Luiz Antônio. A repetição na língua falada como estratégia de formulação textual. In: KOCH, Ingedore. (Org.). Gramática do português falado. v.VI: Desenvolvimentos. Campinas: FaPesp/EDUNICAMP, 1996.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Análise da conversação. São Paulo: Ática, 1986.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Da fala para a escrita: atividades de retextualização. São Paulo: Cortez, 2001.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Exercícios de compreensão ou copiação nos manuais de ensino de língua? Em Aberto, Brasília, Inep, ano 16, n. 69, p. 64-82, jan./mar. 1996.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Gêneros textuais: definição e funcionalidade. In: DIONÍSIO Ângela, MACHADO, Anna Rachel, BEZERRA, M. Auxiliadora (Orgs). Gêneros textuais e ensino. Rio de Janeiro: Lucerna, 2002.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Lingüística de texto: o que é, como se faz. Recife: UFPE, 1993.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Marcadores conversacionais do português brasileiro: formas, posições e funções. In: CASTILHO, Ataliba T. de (Org.). Português culto falado no Brasil. Campinas: EDUNICAMP, 1989. p.281-321.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. O hipertexto como um novo espaço de escrita em sala de aula. In: AZEREDO, José Carlos de (Org.). Língua portuguesa em debate: conhecimento e ensino. Petrópolis: Vozes, 2000.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Oralidade e ensino de língua: uma questão pouco “falada”. In: DIONISIO, Ângela, BEZERRA, Maria Auxiliadora. O livro didático de português: múltiplos olhares. Rio de Janeiro: Lucerna, 2001. p.19-32.

MARINHO, Marildes (Org.). Ler e navegar: espaços e percursos da leitura. Campinas: ABL/Mercado de Letras, 2001.

MARTIN, Marcel. A linguagem cinematográfica. São Paulo: Brasiliense, 1990.

MARTINS, Eleni Jacques. Enunciação e diálogo. Campinas: EDUNICAMP, 1990. (Teses).

MARTINS, Jorge S. Redação publicitária: teoria e prática. São Paulo: Atlas, 1997.

MELO, José Marques de. Gêneros jornalísticos na Folha de S. Paulo. São Paulo: FTD, 1992.

MERCADO, Luís Paulo Leopoldo. A Internet como ambiente de pesquisa na escola. Presença Pedagógica, Belo Horizonte, Dimensão, v.7, n.38, p. 52-65, mar./abr. 2001.

MICHELETTI, Guaraciaba (Coord.). Leitura e construção do real: o lugar da poesia e da ficção. 2.ed. São Paulo: Cortez, 1998. (Aprender e ensinar com textos; 4).

MILANEZ, Wânia. Pedagogia do oral: condições e perspectivas para sua aplicação no português. Campinas: Sama, 1993.

MIRANDA, Marildes M. A produção de texto na perspectiva da teoria da enunciação. Presença Pedagógica, Belo Horizonte, Dimensão, v.1, ano 1 n.1, p. 18-29, jan./fev.1995.

MOLINA, Olga. Ler para aprender: desenvolvimento de habilidades de estudo. São Paulo: EPU, 1992.

MORAIS, A. G. A apropriação do sistema de notação alfabética e o desenvolvimento de habilidades de reflexão fonológica. Letras de Hoje, Porto Alegre, v.39, n.3, p.35-48, 2004.

MORAIS, A. G. (Org.). O aprendizado da ortografia. v.1. Belo Horizonte: Autêntica, 1999.

MORAIS, Artur G. Ortografia: ensinar e aprender. São Paulo: Ática, 1998.

MUSSALIM, Fernanda, BENTES, Anna Christina (Orgs.). Introdução à lingüística: domínios e fronteiras. v.2. 2.ed. São Paulo: Cortez, 2001.

NAPOLITANO, Marcos. Como usar a TV na sala de aula. 4.ed. São Paulo: Contexto, 2002. (Como usar na sala de aula).

NAPOLITANO, Marcos. Como usar o cinema na sala de aula. São Paulo: Contexto, 2003. (Como usar na sala de aula).

NEVES, Maria Helena de Moura. Gramática de usos do português. São Paulo: UNESP, 2000.

NEVES, Maria Helena de Moura (Org.). Gramática do português falado. v.VII: Novos Estudos. Campinas: FaPesp/EDUNICAMP, 1999.

NOBLAT, Ricardo. A arte de fazer um jornal diário. São Paulo: Contexto, 2003. (Comunicação).

NUNES, Socorro. Ensino da ortografia: uma prática interativa na sala de aula. Belo Horizonte: Formato, 2002.

OLIVEIRA, Fabíola de. Jornalismo científico. São Paulo: Contexto, 2003. (Comunicação).

OLIVEIRA, Marco Antônio, NASCIMENTO, Milton do. Da análise de erros aos mecanismos envolvidos na aprendizagem da escrita. Educação em Revista, Belo Horizonte, Faculdade de Educação
da UFMG, n.12, p.33-43, 1990.

ORLANDI, Eni Pulcinelli. Discurso e leitura. 2.ed. São Paulo: Cortez; Campinas: EDUNICAMP, 1993. (Passando a limpo).

ORLANDI, Eni Pulcinelli, GUIMARÃES, Eduardo, TARALLO, Fernando. Vozes e contrastes: discurso na cidade e no campo. São Paulo: Cortez, 1989. (Biblioteca de educação; série 5; estudos de linguagem, 1).

OSAKABE, H. Considerações em torno do acesso ao mundo da escrita. In.: ZILBERMAN (Org.). Leitura em crise na escola. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1993.

PACK, Margareth Brandini (Org.). Memória em movimento na formação de professores: provas e histórias. Campinas: Mercado de Letras, 2000.

PARENTE, André. O virtual e o hipertextual. Rio de Janeiro: Pazulin, 1999.

PAULINO, Graça. Letramento literário: cânones estéticos e cânones escolares.
Caxambu: CDRom 22a. Reunião da ANPED. Texto encomendado: GT 10 – Alfabetização, Leitura e Escrita.

PAULINO, Graça. (Org.). O jogo do livro infantil: textos selecionados para formação de professores. Belo Horizonte: Dimensão, 1997.

PAULINO, Graça et al. (Org.). No fim do século: a diversidade. O jogo do livro infantil e juvenil. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

PAULINO, Graça et al. Tipos de texto, modos de leitura. Belo Horizonte: Formato, 2001.

PAULINO, Graça, WALTY, Ivete, CURY, M. Zilda. Intertextualidades: teoria e prática. Belo Horizonte: Lê, 1995.

PAULINO, Graça, WALTY, Ivete (Orgs.). Teoria da literatura na escola: atualização de professores de I e II graus. Belo Horizonte: Lê, 1994.

PAULIUKONIS, Maria Aparecida, GAVAZZI, Sigrid (Orgs.). Texto e discurso: mídia, literatura e ensino. Rio de Janeiro: Lucerna, 2003.

PÉCORA. Alcir. Problemas de redação. São Paulo: Martins Fontes, 1983.

PENNAC, Daniel. Como um romance. Rio de Janeiro: Rocco, 1992.

PERRENOUD, Philippe. Avaliação: da excelência à regulação das aprendizagens — entre duas lógicas. Porto Alegre: Artmed, 1999.

PERRONI, Maria Cecília. Desenvolvimento do discurso narrativo. São Paulo: Martins Fontes, 1992. (Texto e linguagem).

PERROTTI, Edmir. Confinamento cultural, infância e leitura. São Paulo: Summus, 1990.

PIZA, Daniel. Jornalismo cultural. São Paulo: Contexto, 2003. (Comunicação).

PINHO, J.B. Jornalismo na Internet: planejamento e produção da informação on-line. São Paulo: Summus, 2003. (Novas buscas em comunicação; 71).

PINKER, Steven. Como a mente funciona. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

PINKER, Steven. O instinto da linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

PINTO, Edith Pimentel. O português popular escrito: a linguagem das ruas e das feiras; linguagem urbana e português popular; impressos volantes e cartas. São Paulo: Contexto, 1990. (Repensando a língua portuguesa).

PLATÃO, Francisco e FIORIN, J. L. Para entender o texto: leitura e redação. São Paulo: Ática, 1990.

POSSENTI, Sírio. A cor da língua e outras croniquinhas de lingüista. Campinas: ABL/ Mercado de Letras, 2001.

POSSENTI, Sírio. Discurso, estilo e subjetividade. São Paulo: Martins Fontes, 1988. (Texto e linguagem).

POSSENTI, Sírio. Os humores da língua: análises lingüísticas de piadas. Campinas: ABL/Mercado de Letras, 1998.

POSSENTI, Sírio. Por que (não) ensinar gramática na escola. Campinas: ALB/Mercado de Letras, 1996. (Leituras no Brasil).

PRETI, Dino (Org.). Análise de textos orais. 5.ed. São Paulo: Humanitas, 2001. (Projetos paralelos; 1).

PRETI, Dino (Org.). Fala e escrita em questão. 2.ed. São Paulo: Humanitas, 2001. (Projetos paralelos; 4).

PRETTI, Dino. Sociolingüística: os níveis de fala: um estudo sociolingüístico do diálogo na literatura brasileira. 4.ed. rev. e mod. São Paulo: Cia. Editora Nacional, 1982. (Biblioteca Universitária - Letras e Lingüística; 6).

RABAÇA, Carlos Alberto, BARBOSA, Gustavo. Dicionário de comunicação. Colaboração de Muniz Sodré. São Paulo: Ática, 1987.

RAMOS, Jânia M. O espaço da oralidade na sala de aula. São Paulo: Martins Fontes, 1997. (Texto e linguagem).

RAMOS, Maria Antônia, GONÇALVES, Rosa Edith. As narrativas autobiográficas do professor como estratégia de desenvolvimento e prática de supervisão. In: ALARCÃO, Isabel. Formação reflexiva de professores. Porto, Portugal: Porto, 2000.

RIBEIRO, Vera Masagão (Org.) Letramento no Brasil .São Paulo: Global, 2003.

ROBERTS, Ian, KATO, Mary A. (Orgs.). Português brasileiro: uma viagem diacrônica. Campinas: EDUNICAMP, 1993.

ROCHA, Gladys. A apropriação das habilidades textuais pela criança. Campinas: Papirus, 1999.

ROJO, Roxane (Org.) A prática de linguagem em sala de aula: praticando os PCNs. São Paulo: EDUC; Campinas: Mercado de Letras, 2000.

ROJO, Roxane (Org.) Alfabetização e letramento. Campinas: Mercado de Letras, 1998.

ROJO, Roxane, BATISTA, A. Augusto. Livro didático de Língua Portuguesa: letramento e cultura da escrita. Campinas: Mercado de Letras, 2003.

ROSING, Tânia, BECKER, Paulo (Org.). Leitura e animação cultural: repensando a escola e a biblioteca. Passo Fundo: UFP, 2002.

ROUBINE, Jean-Jacques. A linguagem da encenação teatral. 2..ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahaar, 1998.

RYNGAERT, Jean-Pierre. Introdução à análise do teatro. São Paulo: Martins Fontes, 1995.

SANDMANN, A. A linguagem da propaganda. São Paulo: Contexto, 1993. (Repensando a língua portuguesa).

SANTOS, Luis Alberto Brandão, OLIVEIRA, Silvana Pessôa de. Sujeito, tempo e espaço ficcionais: introdução à teoria da literatura. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

SCALZO, Marília. Jornalismo de revista. São Paulo: Contexto, 2003. (Comunicação).

SCHNEUWLY, B., DOLZ, J. Gêneros orais e escritos na escola. Campinas: Mercado de Letras, 2004.

SCHNEUWLY, Bernard, DOLZ, Joaquim. Os gêneros escolares: das práticas de linguagem aos objetos de ensino. Revista Brasileira de Educação, Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação — ANPED, n.11, p.5-16, jun./ago. 1999.

SECRETARIA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS. Proposta Curricular de Português para o Ensino Fundamental –1998.

SECRETARIA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS. Proposta Curricular de Português para o Ensino Médio – 1998.

SILVA, Lilian Lopes Martins da. a escolarização do leitor: a didática da destruição da leitura. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1986.

SILVA, Rosa Virgínia Mattos. Contradições no ensino de português: a língua que se fala X a língua que se ensina. São Paulo: Contexto; Salvador: UFBA, 2000. (Repensando a língua portuguesa).

Silva, S. A. da. Um estudo da entrevista baseado na análise de gêneros lingüísticos. The ESPecialist, São Paulo, v.12, n.1 e 2, p.121-143, 1991.

SMITH, Frank. Compreendendo a leitura: uma análise psicolingüística da leitura e do aprender. Porto Alegre: Artes Médicas, 1989.

SMOLKA, Ana Luíza. A criança na fase inicial da escrita: a alfabetização como processo discursivo. 2.ed. São Paulo: Cortez; Campinas: EDUNICAMP, 1989.

SMOLKA, Ana Luíza. A prática discursiva na sala de aula: uma perspectiva teórica e um esboço de análise. Cadernos CEDES 24. Pensamento e linguagem: estudos da perspectiva psicologia soviética, Campinas, Papirus, p.51-65, 1991.

SMOLKA, A. L., GÓES, M. C. (Org.). A linguagem e o outro no espaço escolar: Vygotsky e a construção do conhecimento. Campinas: Papirus, 1993.

SOARES, Magda Becker. A escolarização da literatura infantil e juvenil. In: EVANGELISTA, Aracy Alves Martins, BRANDÃO, Heliana Maria Brina, MACHADO, Maria Zélia Versiani (Orgs.). A escolarização da leitura literária. O jogo do livro infantil e juvenil. Belo Horizonte: Autêntica, 1999. (Linguagem e educação). p.17-48.

SOARES, Magda Becker. Alfabetização: a (des)aprendizagem das funções da escrita. Educação em Revista, Belo Horizonte, FALE-UFMG, n.8, p.3-11, dez.1998.

SOARES, Magda Becker. Aprender a escrever, ensinar a escrever. In: ZACCUR, Edwiges (Org.) A magia da linguagem. Rio de Janeiro: DP&A/SEPE, 2001.

SOARES, Magda Becker. Letramento : um tema em três gêneros. Belo Horizonte: CEALE/Autêntica, 1998.

SOARES, Magda Becker. Linguagem e escola: uma perspectiva social. São Paulo: Ática, 1986.

SOARES, Magda Becker. Um olhar sobre o livro didático. Presença Pedagógica, Belo Horizonte, Dimensão, v.2, n.12, nov./dez.1996.

SOLÉ, Isabel. Estratégias de leitura. Porto Alegre: Artes Médicas, 1999.

STARLING, Maria Helena A.R. Interferências da língua oral no processo de estruturação da escrita escolar. Belo Horizonte, FALE/UFMG, 1990. (Dissertação de Mestrado, inédita).

TEIXEIRA, Inês Assunção de Castro, LOPES, José de Sousa Miguel (Orgs.). A escola vai ao cinema. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

TRAVAGLIA, Luiz Carlos. Gramática e interação: uma proposta para o ensino de gramática no 1º e 2º graus. São Paulo: Cortez, 1996.

URBANO, Hudinilson. Oralidade na literatura: o caso Rubem Fonseca. São Paulo: Cortez, 2000.

VALENTE, André. A linguagem nossa de cada dia. Petrópolis: Vozes, 1997.

WALTY, Ivete et al. Palavra e imagem: leituras cruzadas. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

ZACCUR, Edwiges (Org.). A magia da linguagem. Rio de Janeiro: DP&A, 1999.

ZACCUR, Edwiges. Do ensino monológico ao dialógico: ser usuário pressupõe a condição de ser-leitor? In: AZEREDO, José Carlos de (Org.). Língua portuguesa em debate: conhecimento e ensino. Petrópolis: Vozes, 2000.

ZILBERMAN, Regina. A leitura e o ensino da literatura.São Paulo: Contexto, 1988.

ZILBERMAN, Regina. A literatura infantil na escola. São Paulo: Global, 1981.

ZILBERMAN, Regina (Org.). A produção cultural para a criança. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1982.

ZILBERMAN, Regina. Leitura em crise na escola. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1984.

ZILBERMAN, Regina, SILVA, Teodoro da. Leitura: perspectivas interdisciplinares. São Paulo: Ática, 1988.

SITE

Alecrim - Assessoria em Leitura
http://www.tba.com.br/pages/alecrin/

ÂNGELA LAGO – escritora e ilustradora
http://www.angela-lago.com.br

ASSOCIAÇÃO DE LEITURA DO BRASIL
http://www.alb.com.br

DE TUDO UM POUCO
http://www.graudez.com.br/detudoumpouco

Leia Brasil - Programa de Leitura
http://www.leiabrasil.com.br/

MEMÓRIA DE LEITURA
http://www.unicamp.br/iel/memoria

MUNDO DA LEITURA
http://www.upf.tche.br/mundodaleitura

PROLEITURA
http://www.assis.unesp.br/proleitura

PROJETO MEMÓRIA DE LEITURA
http://www.unicamp.br/iel/memoria

PROJETO RELEITURAS
http://www.releituras.com

O CARACOL DO OUVIDO
http://caracol.imaginario.com

REDE DOCE DE LETRA
http://www.docedeletra.com.br

REDE ESCOLA
http://www.sectec.rj.gov.br/redeescola

REVISTA AGULHA BIBLIOTECA NACIONAL
http://www.bn.br

REVISTA PROA DA PALAVRA
http://ww.8.zaz.com.br/proa

REVISTA VIRTUAL NAVE DA PALAVRA
http://www.navedapalavra.com.br


Página anterior Créditos