AS FASES DE UMA SEQÜÊNCIA DE ENSINO



Nossa unidade para o planejamento do ensino não será, portanto, a atividade de ensino considerada isoladamente, mas sim como cada atividade participa de um processo de construção de sentidos numa dada seqüência de ensino. Essa distinção é impor-tante, pois uma mesma atividade pode cumprir papéis distintos dependendo de sua posição na sucessão temporal de eventos numa dada seqüência. Por exemplo, uma atividade prática pode ser um momento de abertura de uma seqüência ou como problema de aplicação de um conhecimento já apresentado e discutido com os estudantes. A atividade não será a mesma em cada um dos casos, pois seus propósitos não são os mesmos e, assim, serão diferenciadas as intervenções do professor bem como a orientação para a atividade dos estudantes.

 
 
O planejamento de um curso será sempre algo original, mesmo que utilize atividades que já sejam conhecidas e de domínio público. Assim, a criatividade do professor se expressa pela maneira com que combina os recursos que conhece. Quanto maior e mais diversificada for a experiência didática do professor, mais elementos ele tem para criar uma seqüência de ensino rica de oportunidades para a aprendizagem. Por outro lado, podemos usar a experiência de outros professores, registradas em livros didáticos e paradidáticos, em sites da Internet ou relatada em conversas entre colegas. Tudo isso vai compondo um acervo ou repertório de ensino que é a matéria-prima para um bom planejamento de curso.

À medida em que uma seqüência de ensino se desenvolve, diferentes propósitos de ensino vão orientando as intervenções do professor e o modo como são conduzidos as atividades e o discurso na sala de aula. Chamaremos de fases de ensino a esses diferentes momentos do processo de construção de conhecimentos na sala de aula. De maneira simplificada, podemos identificar as seguintes fase dos ensino:
 

Fases do Ensino Propósitos (intenções) doProfessor

• Problematização inicial


• Engajar os estudantes, intelectual e emocionalmente, com o estudo do tema.
• Explorar as visões, conhecimentos prévios e interesses dos estudantes sobre o tema.

• Desenvolvimento da narrativa do ensino
• Disponibilizar as idéias e conceitos da ciência e/ou das artes no plano social da sala de aula.
• Aplicação dos novos conhecimentos
• Dar oportunidades aos estudantes de falar e pensar com as novas idéias e conceitos, em pequenos grupos e por meio de atividades com a toda a classe.
• Dar suporte aos estudantes para produzirem significados individuais, internalizando essas idéias.
• Dar suporte aos estudantes para aplicar as idéias ensinadas a uma variedade de contextos e transferir aos estudantes con-trole e responsabilidade pelo uso dessas idéias.
• Reflexão sobre o que foi apreendido
• Prover comentários e reflexões sobre o conteúdo, de modo a sistematizar, generalizar e formalizar os conceitos apreendidos.
• Destacar relações entre os conceitos e destes com outros tópicos do currículo, promovendo, assim, o desenvolvimento da narrativa do ensino.

         
Página anterior Problematização