Os dados registrados foram analisados e foi considerada a carga horária obrigatória definida pela Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais para a disciplina Arte no ensino médio, ou seja, 40 horas/aula no 1º ano e 40 horas/aula no 2º ano.

 

Indica-se que a escola abra espaços para atividades artísticas em outros momentos curriculares, orientadas por professores e profissionais especialistas, dentro de suas possibilidades.

A área de conhecimento ARTE é ampla e engloba para fins de estudo, no ensino médio, cinco áreas específicas: Artes Audiovisuais, Artes Visuais, Dança, Música e Teatro. Para cada uma delas, é necessário um professor especialista e condições mínimas de infra-estrutura para que seu ensino seja significativo. Fica claro que é extremamente desejável que sejam feitos projetos conjuntos integrados, desde que o conhecimento específico de cada área de expressão seja construído.

Ao elaborar esta proposta, duas ordens de preocupações se evidenciaram:

 

• inserir o ensino da arte de forma que a criação ordenada e ordenadora contribua para o desenvolvimento integral dos jovens, enriquecendo todo indivíduo que dela fizer uso;

• propor um programa exeqüível, disposto de maneira simples, mas capaz de sintetizar em diferentes módulos as inúmeras possibilidades da criação artística frente às novas tecnologias disponíveis no mundo contemporâneo.

Os conteúdos foram pensados e estruturados visando à construção de conhecimentos que devem fazer parte da vida de todo ser humano. Possuem unidade conceitual, que não é seriada e que permite ao professor iniciar o entendimento da arte a partir de qualquer um dos tópicos. Permite, ainda, a expansão do conhecimento pela criação de redes de informação em arte.

 
 

A avaliação, neste currículo, será de metodologia formativa, visando à construção de conhecimentos durante todo o processo pedagógico e abrangendo as diversas áreas (a factual, a conceitual, a comportamental e a atitudinal) de uma forma integrada. Pretende-se, assim, obter não só dados quantitativos, mas principalmente qualitativos, de forma a poder, constantemente, reformular e re-significar tanto conteúdos quanto ações.

 

Página anteriorRazões para ensinar arte